Publicado por: João Carvalhas | Dezembro 29, 2010

Arouca – PR9 – Rota do Xisto – trilobitando nas margens do Paiva… :-)

Arouca é, decididamente, um dos locais nacionais privilegiados para a prática da caminhada em meio natural. Com 16 rotas homologadas, apresenta-se como sendo a “capital do pedestrianismo”.

Desta vez, fomos conhecer o PR9 – Rota do Xisto – um percurso circular com 17 kms, com uma dificuldade média/alta (bem…com tanta chuva e o piso escorradio, foi mesmo alta). Duração entre 5/6 horas. Pelo caminho não existe qualquer ponto de apoio -apenas o Centro Geológico, mas que, pelas informações que temos, encontra-se na maior parte das vezes encerrado – por esse motivo, devem-se levar alimentos e água.

O troço do percurso mais belo, mas que se tornou um pouco mais difícil, devido à chuva, foi aquele que acompanha, muito de perto, o rio Paiva, desde o moinho da ribeira até à praia do Vau. A beleza do Paiva, ali mesmo ao lado, a riqueza e variedade da vegetação envolvente, a cascata do ribeiro da Estreitinha em toda a sua pujança fizeram deste troço o verdadeiro ex- -libris do percurso.

Durante o trajecto pudemos ainda desfrutar de uma magnífica vista sobre a queda de água das Aguieiras a despenhar-se no caudaloso rio Paiva. Pudemos também, mais à frente, espreitar algumas bocas de minas de exploração de volfrâmio, nomeadamente a mina do Pereiro, com uma galeria de cerca de 150 metros, mas só possível de ser percorrida com o auxílio de lanternas.

A visitar! Mesmo que chova! 🙂

Veja também ECOTURISMO PORTUGAL no Facebook

Anúncios
Publicado por: João Carvalhas | Julho 20, 2009

Percurso Pedestre de Canelas – 2 km de Biodiversidade pura!

Visitámos o novo percurso pedestre de Canelas – Rio Jardim – no concelho de Estarreja. Fica muito perto do mais conhecido e antigo percurso de Salreu. A distância é de , apenas, dois kilómetros. O grau de dificuldade é fácil. O percurso está muito bem enquadrado com panéis interpretativos, nomeadamente para as crianças. Existem pequenos painéis com informações mais “leves” sobre a fauna e flora locais, que se destinam aos mais novos. Por esse motivo, este é o percurso ideal para os mais pequenos e para os que se encontrem a iniciar (e a viciar) nestas andanças e caminhadas. Nunca tínhamos visto tantas garças cinzentas juntas e tão próximas de nós. Um conselho – que se encontra nos panéis e que gostaríamos de reforçar – se querem ver alguma coisa, andem em silêncio! Um encontro com a natureza…. A cor da paisagem e o som das aves constituem uma autêntica terapia anti-stress!
Parabéns à Bioria por mais este percurso e ao município de Estarreja…

Um caminho com Alma…
Bom Caminho!

Publicado por: João Carvalhas | Maio 13, 2009

Visita de Estudo ao Tejo Internacional – Idanha-a-Nova

Este é o primeiro post do ano! Por falta de tempo não nos tem sido possível publicar aqui as nossas “aventuras” pelo maravilhoso país que é Portugal.

Recomeçamos em grande: Visita de estudo ao Tejo Internacional (8 e 9 de Maio), enquadrada na pós-graduação em Ecoturismo. Fomos acompanhados por três biólogos (professores) especialistas na observação de Aves que nos indicaram os melhores locais para birdwatching.
Vimos de tudo: águias, milhafres, falcões, abutres do egipto, cegonhas-negras, cegonhas brancas, águias de bonelli, grifos, andorinhas, abelharucos, tartaranhões, etc… e também muflões, gamos, javalis…
Ainda fizémos em Idanha-a-Nova a Rota dos Abutres e a Rota dos Fosséis.
O Parque Natural do Tejo Internacional apresenta uma extraordinária riqueza botânica, com a presença de várias espécies endémicas, assim como grande variedade de aves migratórias e de rapina, que encontram aqui reunidas excelentes condições de nidificação.

Além da beleza e riqueza natural, o Parque é também marcado pelos valores do património histórico e cultural, em que ressaltam os vestígios do Neolítico e sepulturas romanas, assim como interessantes edificações da arquitectura popular perfeitamente integradas na envolvente paisagística. Local de intensa e privilegiada comunhão com a natureza, podem aqui gozar-se momentos de beleza e quietude inesquecíveis.
Um local verdadeiramente com ALMA!!!

Bom Caminho!

Publicado por: João Carvalhas | Dezembro 30, 2008

Temos queda para o Caminho!

dsc07858 finisterra1-021

Nós já tinhamos ameaçado no post anterior: falar sobre quedas.

Aqui ficam as fotos de duas quedas (escorregadelas) no Caminho de Santiago: a primeira no Caminho Português. A segunda no Caminho Finisterra.Quase um ano de diferença separam as duas fotos… mas a pose é a mesma! Não. Não foi nada combinado… nem sequer encenado. Foram quedas a sério que ocorreram em duas descidas. A sabedoria popular apregoa que a descer todos os Santos ajudam. Aqui não ajudaram nada, antes pelo contrário. Moral da história? Muito cuidadinho nas descidas porque é quando podem acontecer as maiores desgraças. 🙂

Como dizem os orientais: o mal não está na queda, mas sim em não nos conseguirmos levantar.  E cair, todos caímos – nem sempre temos é um paparazzi ao pé para nos fotografar – Felizmente, tudo não passou de um pequeno susto, com muito riso à mistura no final.  Quem se leva muito a sério e não consegue rir de si próprio… não tem queda para o Caminho. Nesse caso aconselhamos, plagiando o nosso atleta do lançamento do peso:  se calhar, de manhã,  o melhor é ficarem na caminha…

Bom Caminho!   Ou boa caminha se for esse o caso…

ps- tivemos autorização assinada e reconhecida pelo notário, cof..cof..para publicação das duas  fotos.

Publicado por: João Carvalhas | Novembro 11, 2008

Caminhos de Santiago (remix) com “queimada” no início!

Aqui deixamos algumas das nossas fotos e vídeos sobre o Caminho de Santiago numa espécie de remix. Se estiverem atentos, ainda conseguirão ver o (a) Corcunda de Notre Dame, ou coisa parecida, numa das fotos lá para o meio.

Sobretudo, chamamos a atenção para a maravilhosa música dos Madredeus, no Caminho de Santiago, que tão bem espelha o espírito e a Alma do Caminho… Aumentem o som e deliciem-se com a melodia!

Continuem a visitar-nos. Brevemente, vamos publicar duas fotos de duas estrondosas quedas,  que tivemos nos Caminhos de Santiago… um must!

Bom Caminho!

Publicado por: João Carvalhas | Novembro 10, 2008

Marcha dos 120.000 Professores

Uma grande Marcha, sem dúvida, e, sobretudo, com Muita Alma!!!

Não podíamos faltar…

Bom Caminho!

Publicado por: João Carvalhas | Novembro 9, 2008

Birdwatching, Horsewatching, Dogwatching

Desta vez, resolvemos experimentar o Percurso Visitável da Natureza, na área marginal da Ria de Aveiro, no Concelho da Murtosa, entre o Bico e a Varela, passando pela Ribeira de Pardelhas, Ameirinhos, Mamaparda e Béstida, numa extensão de 10,5 Km. Como foi ida-e-volta, contabilizámos 21 km. Vimos de tudo um pouco: garças, pilritos, gaivotas, flamingos, pombos, cavalos, e até fizemos amizade com três simpáticos cães, que nos acompanharam cerca de 15 km.  Partimos depois do almoço, do Bico, por volta das 14h30 e chegámos, nas calmas, à Ponte da Varela, pelas 17h00. Regressámos e vimos um pôr-do-sol espectacular!

Por volta das 19h00 (já noite cerrada) chegámos ao Bico.

O percurso, inaugurado oficialmente no dia 20 de Setembro, ainda cheira a novo!  Mas promete. Ai promete…promete… e sentimos que também tem Alma! Bem sinalizado, com placas identificativas do percurso e painéis interpretativos da fauna e flora dos locais. Parques para bicicletas e zonas de descanso. Muito bom. Caminhantes não vimos ninguém. Apenas carros… e motas… o que é pena… devido à qualidade e beleza da paisagem junto à Ria. Queremos tornar a voltar brevemente lá… há muito para estudar, observar e fotografar…

O Município da Murtosa  está de parabéns! Apesar de ainda estar no início, nota-se uma grande preocupação em termos de Educação Ambiental, que é digna de realce… Vamos estar atentos às suas iniciativas.

Bom Caminho!

Que dizer desta segunda caminhada de fundo organizada, no dia 19 de Outubro,  pelo AFIS de Ovar? Apenas que foi melhor do que a primeira , realizada no ano passado – que até já nem tinha sido nada mal, muito antes pelo contrário. Melhor essencialmente no percurso escolhido: muito menos contacto com a estrada asfaltada e muito mais campo, longe do rebuliço dos carros e poluição. Mesmo como nós gostamos. Previsto para 34 quilómetros, podemos garantir a pés juntos (até porque o pedómetro nunca falha) que fizemos 39! O que em termos de tradução para número de passos (dos nossos) dá cerca de 55.000. Esta caminhada tem a particularidade de unir as várias freguesias do concelho de  Ovar. Partimos da estação de Esmoriz às 8h30 e chegámos a Ovar às 18h00. Parabéns ao AFIS e a todos os corajosos que participaram neste desafio…

Bom Caminho!

Publicado por: João Carvalhas | Outubro 3, 2008

Phoenicopterus ruber na Ria de Aveiro

Pois… poucos saberão o que isso significa. Nós elucidamos: Phoenicopterus ruber, é o nome do Flamingo-comum, uma das espécies de aves que se podem observar  na Ria de Aveiro. Observar… e fotografar.  A Ria de Aveiro é um lugar muito especial para as aves. Cerca de quinze mil é o número de aves que a Ria recebe durante os meses de Outubro e de Inverno, muitas delas vindas de paragens longínquas como o norte da Europa. Como apreciadores de birdwatching, deixamos aqui uma das últimas fotografias que tirámos para aguçarmos o apetite sobre o tema.  Quando caminhamos por verdadeiros Trilhos com Alma, arriscamo-nos a encontrar destas coisas pelo caminho. Que maravilha!

Bom Caminho!

Publicado por: João Carvalhas | Setembro 24, 2008

Apanhámos com a tromba de água em cima, ou quase…

Desta vez fomos com os Amigos do Cáster fazer o percurso “Cabreia e Minas do Braçal” em Sever do Vouga. Foi no Domingo, dia 21 de Setembro, dia em que caíu uma tromba de água em Coimbra, inundando tudo. Nós estávamos lá por perto e apercebemo-nos, por volta das 16h00, que qualquer coisa pairava no ar. Ficou noite repentinamente. Enfim, mais uma aventura para contar dentro da aventura…

As Minas do Braçal encontram-se abandonadas. A descoberta de vestígios antigos provam que as mesmas já existiriam no tempo dos Romanos. Na década de 50 do século passado, chegaram a trabalhar lá 742 operários. O encerramento das minas provocou um grave problema social.

O percurso, com cerca de 11 quilómetros, é de dificuldade média. Tem algumas subidas puxadinhas, mas que se fazem bem…

É um Trilho com Alma. Alguém tem dúvidas? Vejam o vídeo:

Bom Caminho!

Older Posts »

Categorias